Paróquia

HISTÓRICO DA PARÓQUIA SAGRADA FAMÍLIA
ELABORADO EM 2016

A Paróquia Sagrada Família compreende a Região de Pirapitingui, também chamada de Cidade Nova, distante quase 20 quilômetros do centro da Cidade de Itu. É cortada pela Rodovia Waldomiro Correa de Camargo que inicia na região central da cidade e se encaminha para a cidade de Sorocaba. Está às margens da Rodovia Castelo Branco e na linha limítrofe entre os municípios de Itu e de Sorocaba. Dizem que a população dessa região é de quase 70 mil pessoas.

Antes da construção das casas populares dos bairros da região, existia apenas o Hospital Dr. Francisco Ribeiro Arantes, leprosário construído em 1931, um dos maiores do Brasil.

Até a criação da Quase-Paróquia as comunidades que existiam na região pertenciam às Paróquias São Judas Tadeu e São José. A Comunidade Santa Isabel, que até hoje funciona como sede da paróquia, com secretaria e casa paroquial, foi inaugurada em 1º de junho de 1979 por Dom Gabriel Paulino Bueno Couto, então Bispo Diocesano. Conta-se que os participantes da FASBEN (Fundação de Assistência Social Pe. Bento) pediram ao Frei Alípio, franciscano, Capelão do Hospital Pirapitingui, a construção de uma capela na Vila Martins. Ele doou o terreno de 800m², onde foi construída a capela e depois salas, ambulatório, apartamento, depósitos, cozinha, refeitório e banheiros. A capela construída por meio de mutirão, foi dedicada a Santa Isabel de Portugal, embora de início pensava-se dedicá-la ao Pe. Bento Dias Pacheco, ituano pioneiro no atendimento dos hansenianos. Mas desistiram por ainda não ser canonizado. Tendo em vista a confraternização das famílias que surgiu em torno da igreja, a Sagrada Família de Nazaré, estava sempre em evidência.

Em 4 de agosto de 1995, Dom Roberto Pinarello de Almeida assinou o decreto de criação da Quase-Paróquia Sagrada Família. Em seguida, a Provisão de Administrador Paroquial do Pe. Jacinto Ferreira do Nascimento Neto; do Vigário Paroquial Pe. Eduardo Tocachelo e do Diácono Permanente Júlio Cesar Eymael.

O decreto de criação de Paróquia foi assinado em 29 de dezembro de 1996, por Dom Amaury Castanho, quando assinou também a provisão de pároco do Pe. Eduardo Tocachelo.

Dom Amaury Castanho assinou em 11 de março de 2000, a provisão de pároco para o Pe. Noel Teixeira da Silva; em 26 de março de 2001 a provisão do Diácono Permanente Mauro Gonçalves de Arruda; em 25 de janeiro de 2002 a provisão de Diácono de Gelson Raul da Silva, que em 26 de maio de 2002 recebeu a provisão de Vigário Paroquial; em 8 de dezembro de 2003 a provisão de Diácono de Carlos Eduardo de Souza e de Diácono Permanente de Valdeci Florentino dos Santos; em 12 de dezembro de 2003 a provisão de Diácono Permanente de Bartolomeu de Almeida Lopes.

Dom Gil Antônio Moreira assinou em 11 de novembro de 2004 a provisão do Diácono Permanente Reginaldo Azevedo de Castro, que desde novembro de 2001 prestava serviço na paróquia sem provisão; em 14 de maio de 2004 a provisão de Vigário Paroquial do Pe. José Roberto de Oliveira, que em 5 de junho de 2005 recebeu a provisão de Administrador Paroquial; em 12 de junho de 2005 a provisão de Vigário Paroquial de Carlos Desidério da Rosa; em 30 de setembro de 2007 a provisão de Administrador Paroquial de Juverci Pontes Siqueira; em 28 de junho de 2008 a provisão de Diácono de Marcio Felipe de Souza Alves; em 15 de fevereiro de 2009, a provisão de Diácono de Leandro Megeto;

Dom Vicente Costa assinou em 9 de outubro de 2010 a provisão de Diácono Permanente de Reginaldo Azevedo de Castro, de Diácono Permanente de Valdeci Florentino dos Santos e de Diácono Permanente de Bartolomeu de Almeida Lopes; em 4 de fevereiro de 2012, a Provisão de Administrador Paroquial do Pe. José Carlos Rodrigues, SV; em 16 de setembro de 2012 a provisão de Diácono de Michael Henrique dos Santos; em 20 de janeiro de 2013 de Pároco do Pe. Venilton Calheiros, que permanece até hoje nessa função e de Vigário Paroquial do Pe. Michael Henrique dos Santos. Este, no ano seguinte assumiria como pároco a Paróquia São Roque, em Salto e para seu lugar, em 31 de janeiro de 2014, Dom Vicente deu a provisão de Vigário Paroquial ao Pe. Noel Teixeira da Silva. O diácono Valdeci Florentino dos Santos, permaneceu até este ano de 2016, quando foi designado para a paróquia Nossa Senhora Aparecida, de nossa Cidade. O diácono Reginaldo Azevedo de Castro permanece conosco.

Em 13 de dezembro de 2013, os franciscanos entregaram assistência espiritual e pastoral das duas igrejas construídas há décadas no complexo hospitalar do Pirapitingui para a Diocese. O último padre franciscano que esteve lá atuando como Capelão foi o Frei Osvaldo Lino Luiz.

Algumas comunidades que pertenciam a paróquia Sagrada Família, passaram a pertencer a Paróquia São João Batista, no Parque das Industrias, quando de sua criação em 27 de junho de 2010.

na Sagrada Família permaneceram as seguintes Comunidades urbanas: Santa Isabel da Vila Martins, São Francisco de Assis do Portal do Éden, Sagrado Coração de Jesus do Novo Mundo, Nossa Senhora Aparecida da Cidade Nova, Sagrada Família da Cidade Nova, Nossa Senhora d’ Oropa do Jardim Europa. E as Comunidades rurais: Santo Antônio do Varejão, São José do Bairro dos Carvalhos, São João Batista do Parque Maeda, Imaculada Conceição do Varejão e São Frei Galvão. Dentro do Hospital do Pirapitingui duas Comunidades: Nossa Senhora do Sagrado Coração e São Francisco de Assis. A Comunidade Nossa Senhora da Penha, passou o ano passado sob os cuidados pastorais da Paróquia Santa Catarina, no bairro Catarina, cidade de Mairinque, da diocese vizinha de Osasco, mas retornou para nós neste ano.

Elaborado por Padre Venilton Calheiros – Pároco da Sagrada Família